Santinho eleitoral: entenda a importância desse material

Santinho eleitoral: entenda a importância desse material


Ainda que a digitalização esteja mais presente na nossa rotina – especialmente esse ano, quando vimos a necessidade de adaptação frente à pandemia – o mundo off-line mantém sua demanda. Principalmente quando falamos em ações de divulgação.

Mesmo quando os recursos de publicações digitais impulsionadas foram permitidos nas eleições de 2018, quase 260 milhões de reais foram utilizados em publicidade impressa, segundo dados do Tribunal Eleitoral (TSE).

O santinho é um dos materiais mais utilizados nas campanhas eleitorais, ainda que sua distribuição não seja permitida na semana de votação. Quer entender por quê?

O santinho apresenta as principais informações de um candidato. Seu formato pequeno inicialmente parece desvalorizar o conteúdo. Porém, por conter o essencial e ser prático de carregar e/ou armazenar, facilita sua aceitação e adesão.

Esse material também auxilia a guardar o número do candidato, visto que muitas pessoas esquecem ou não tem facilidade em memorizar os números de cada concorrente.

 

E como fazer um santinho bem feito?

– Primeiro de tudo é entender sua relevância. Por mais simples que pareça, é uma ferramenta muito importante na campanha eleitoral. Mesmo que seu tamanho não passe de 10 cm, os candidatos contam com esse canal de distribuição para divulgar seus nomes.

– Atenção ao conteúdo. As informações do candidato e do vice precisam estar claras e num layout organizado.

– Aproveitar os espaços. Saiba usar a frente e o verso de forma lógica e ao mesmo tempo clara. Elenque, junto ao candidato, os tópicos mais relevantes e crie a peça de acordo com a identidade da campanha e dando destaque aos tópicos principais.

– Saber qual é o material mais apropriado para impressão. A qualidade do impresso influencia na sua legibilidade, durabilidade e até mesmo legitimidade do candidato. O papel errado interfere nas cores e tamanho da peça.

– Atenção às cores e à diagramação. É preciso que o santinho esteja alinhado à identidade criada da campanha do candidato, considerando, também, o partido – em alguns casos a diagramação dos candidatos do partido precisa ser a mesma.

– Incluir as exigências da legislação. Segundo o TSE, é obrigatório constar o número de inscrição no CNPJ ou CPF do responsável pela produção do material (se for gráfica de revenda, incluir o CNPJ ou CPF do revendedor). Também é regra indicar o CNPJ do candidato, bem como o número da tiragem (quantidade de peças que foram produzidas e impressas).

 

Muito importante: escolher a gráfica certa

Para valorizar o trabalho de criação e garantir um material de qualidade, é importante escolher uma gráfica de confiança. Afinal, se o impresso não tiver o cuidado adequado, poderá prejudicar a reputação do candidato. Além disso, criar boas peças, contratando uma agência ou profissional para fazê-lo e, no fim imprimir em uma gráfica qualquer, pode colocar todo trabalho a perder.

Por isso, procure uma gráfica reconhecida no mercado e, de preferência, que tenha experiência nesse tipo de material, como na Gráfica Triangullo. Há quase 30 anos no mercado, possui uma linha completa para garantir uma campanha de sucesso, como santinho, adesivos, panfletos, jornal eleitoral, entre outros.

Entre em contato conosco e garanta o melhor material, com os melhores prazos e negociação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp Envie-nos sua mensagem via Whatsapp